Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 23 de maio de 2019 Hora Certa 11h57

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Jurídicas

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

14/11/2018 13:15:00

Contra Refis, Unafisco pede aditamento da ADI 6.027 e ingressa com ação civil pública



Neste momento, a Unafisco Nacional combate o Refis em duas grandes frentes. A primeira é com a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) número 6.027, ingressada no Supremo Tribunal Federal (STF) pela entidade. Na outra frente de combate, a Unafisco ingressou, em 12/11, com ação civil pública (ACP), na Justiça Federal de São Paulo, pelo cumprimento do artigo 180, I e II do Código Tributário Nacional (CTN) ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert).

ADI. A Unafisco acaba de aditar a petição inicial da ADI número 6.027. Em linhas gerais, essa ADI da Unafisco objetiva impugnar artigos da Lei 13.496/2017, que institui o Pert na Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) e na Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Do mesmo modo, a ADI busca a impugnação dos artigos da Lei 13.606/2018, que instituem o Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) nos dois órgãos supracitados.

O pedido de aditamento é necessário porque foi editada, em 8/11, a Lei 13.729/2018, que é a conversão da MP 842/2018. Essa lei alterou o texto original da medida provisória, ao prorrogar o período de adesão ao PRR até 31 de dezembro de 2018. Como pioraram o que já estava ruim, a Unafisco pede a imediata anulação dessa reabertura de prazo, por meio da ADI. Para barrar novas tentativas de prorrogação de prazo de adesão, tanto no Pert, quanto no PRR, a entidade também requer na ADI que ocorra a anulação dos artigos que permitam tal procedimento danoso. “Testemunha-se com frequência a reabertura de prazos de parcelamentos especiais; apenas o PRR teve seu prazo de adesão reaberto quatro vezes – o prazo inicial de 28 de fevereiro de 2018 foi alterado para 30 de abril de 2018 (Lei 13.630/2018), 30 de maio de 2018 (MP 828/2018), 30 de outubro de 2018 (MP 834/2018) e, finalmente, 31 de dezembro de 2018. As constantes reaberturas de prazo resultam na necessidade de se propor a suspensão da aplicação dos artigos questionados na presente ADI – artigos 1º a 11 da Lei 13.496/2017 e artigos 1º a 13 e artigo 39 da Lei 13.606/2018 – para novos aderentes a tais parcelamentos especiais”, diz a Unafisco no documento.

ACP. A Unafisco Nacional ingressou com ação civil pública para que se aplique o artigo 180 do CTN ao Pert. O objetivo é a defesa do interesse público, a fim de evitar que o Sistema Tributário Nacional seja lesado pela concessão de perdão de multas (anistias) para casos configurados como crime, contravenção, ou praticados com dolo, fraude e simulação. A questão do Pert é muito delicada para o interesse público, pois envolve penalidades relativas a tributos que financiam inclusive a Previdência Social. “Certamente que em um Estado Democrático de Direito que, segundo as fontes oficiais, enfrenta um desafio nas contas da previdência a ponto de justificar uma proposta governamental de fortíssimo corte de direitos, não pode o Poder Judiciário deixar de aplicar o texto explícito da lei para evitar que sejam concedidos benefícios fiscais a sonegadores e fraudadores de tributos que financiam todas as políticas, incluindo a seguridade social”, ressalta a entidade na ACP.

O texto da MP 783/2017 (que deu origem à Lei 13.496/2017, da qual surgiu o Pert) dizia em seu artigo 12 que era vedado o pagamento ou parcelamento das dívidas decorrentes de omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, o conhecimento, por parte da autoridade fazendária, da ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, sua natureza ou circunstâncias materiais, conforme art. 71 da Lei 4.502/64. Nesse sentido, a Instrução Normativa da Receita Federal nº 1711/2017 e a Portaria da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional nº 690/2017, que regulamentavam o Pert, deixavam clara a posição de não serem liquidados na forma do Pert os débitos oriundos da prática de sonegação, conluio ou fraude.

As atividades dos Auditores Fiscais são desperdiçadas com tantos Refis a serviço da sonegação em todos os níveis da federação. Toda a sociedade é atingida, quando os cofres públicos sofrem o prejuízo de centenas de bilhões de reais por ano, que deixam de ser aplicados em melhorias para a população brasileira. Que o novo governo se posicione frontalmente contra todos os desvios aqui citados. O Brasil certamente agradecerá.

 

Leia também:

Lei 13.586/2017: Unafisco ingressa com ação civil pública para limitar período de benefícios fiscais a empresas petrolíferas


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]