Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 11 de agosto de 2020 Hora Certa 08h15

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

09/07/2020 11:26:00

'Reforma tributária não é sinônimo de simplificação', diz Mauro Silva em live sobre tributação do consumo



O presidente da Unafisco Nacional, o Auditor Fiscal Mauro Silva, participou da live Tributação sobre Consumo – Só simplificar resolve?, organizada pela Anfip, em 8/7. Participaram também do debate o Auditor Fiscal e diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), Nelson Machado, e o economista e ex-deputado federal, Luiz Carlos Hauly, autor da proposta da PEC 110 da Reforma Tributária em tramitação no Senado, entre outros.

Luiz Carlos Hauly.  O ex-deputado federal abriu o debate falando sobre o número excessivo de tributos da mesma origem e defendendo que a simplificação é um dos pilares da base da Reforma Tributária. Segundo ele, o excesso de tributos sobre o consumo gera um prejuízo de trilhões todos os anos com estoque de contencioso, dívida ativa e sonegação. “O IBGE estima que tenhamos um milhão de itens tributários na base de consumo divididos entre município, Estado e União entre impostos e contribuições. É uma anarquia geral”, disse.

Com isso, Hauly afirmou que o País acumulou R$ 500 bilhões por ano, 7% do PIB de incentivos e renúncias fiscais e o mesmo valor de sonegação fiscal, R$ 500 bilhões, que representam um PIB não declarado de R$ 1,5 trilhão. O ex-deputado destacou ainda que o Brasil tem o maior contencioso do mundo, com R$ 5 trilhões na Justiça. “A maior dívida ativa do mundo e o maior custo burocrático do mundo, R$ 70 bilhões. Isso matou as empresas, matou a concorrência, matou a economia, diminui o salário líquido a receber dos trabalhadores, diminui o poder de compra de milhões de brasileiros”, enfatizou.

Para o ex-deputado, a solução destes problemas passa pela Reforma Tributária, com a substituição de vários impostos sobre o consumo por um único, o Imposto de Valor Agregado (IVA); tecnologia de cobrança com a nota fiscal eletrônica e diminuição da carga tributária para as pessoas mais pobres. “[Um imposto] simplificado, tecnológico e seria um imposto de última geração, seria o melhor tributo do mundo com a cobrança eletrônica e fazendo a desoneração de comida e remédio”, disse.

Presidente Mauro Silva. O presidente da Unafisco afirmou que a discussão sobre a Reforma Tributária parece estar muito focada na simplificação, em relação aos outros aspectos que abrangem o tema. Por isso, Mauro destacou que tem poucas críticas aos projetos que foram apresentados no Congresso sobre a reforma e muitas em relação a itens que não foram incluídos na discussão.

Mauro criticou a ausência nas propostas de reforma de itens, como a divisão tributação consumo, tributação renda e a falta de preocupação por justiça fiscal. Para ele, a reforma exige uma grande discussão entre sociedade e políticos e não se deve desperdiçar este esforço político tratando apenas de um dos problemas do sistema tributário. “Para a reforma, como um todo, simplificar só não resolve, para a tributação sobre o consumo igualmente simplificação não resolve. Porém, é uma contribuição muito grande neste aspecto”, afirmou.

O presidente da Unafisco alertou também que com as PEC 45 e 110, em tramitação no Congresso, há o risco de que aumente a tributação sobre o consumo, pois as alíquotas do novo imposto serão de 25 a 30%. Segundo ele, isso acende uma luz amarela quanto à possibilidade de ampliar a participação sobre o consumo e isso aumentar a regressividade do sistema tributário.

Nelson Machado. O Auditor Fiscal e diretor do CCiF, Nelson Machado, destacou que o grande esforço de transformação está no consumo que tem bases distribuídas nos entes municipais, estaduais e federais. De acordo com ele, o tributo do consumo é um litigioso sem fim, é uma coisa inimaginável a capacidade que os empresários têm para fazer negócios, para fazer confusão junto com os Auditores. “Aqui é preciso fundamentalmente simplificar a questão dos impostos do consumo”, ressaltou.

Na opinião de Machado, a simplificação dos impostos do consumo resolve grande parte da questão da qualidade e problemas tributários. O tributo tem que trabalhar os princípios da simplicidade, transparência e aumento da cidadania. Com relação à progressividade, distribuição de renda e desigualdade, Machado afirmou que são necessários outros impostos. “O cidadão precisa saber o quanto que paga no seu tributo quando compra um sapato, uma camisa, um computador, um quilo de arroz. Tem que saber o quanto tem de imposto. Hoje não sabe, ninguém sabe”, afirmou.

O diretor do CCiF também destacou que a substituição dos impostos federais por um único não afetará a destinação do dinheiro. Segundo ele, a PEC 45 preserva a arrecadação da alíquota parcial do governo federal com a destinação para a seguridade social. “O modelo de distribuição do recurso garante as vinculações constitucionais existentes da saúde, da educação e da seguridade. Esse problema não existe”, explicou.

O presidente da Unafisco terminou sua participação no debate dizendo que o problema do sistema tributário não está apenas no consumo. Segundo ele, a reforma do imposto sobre o consumo destrava e melhora o desenvolvimento do País, porque há uma complexidade muito grande em muitos Estados e munícipios. No entanto, a sociedade não pode desperdiçar a oportunidade do debate político dentro do Congresso para consertar o sistema tributário distribuindo a carga como um todo e não apenas igualar Reforma Tributária com simplificação. “Este é um equívoco, Reforma Tributária não é sinônimo de simplificação e também não é sinônimo de mudança da Constituição”, finalizou.

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]